Olá sr. Medo, tudo bem com você? Engraçado como mesmo sendo vizinhos há tanto tempo, nós nunca paramos para conversar não é mesmo?

Mas não ache que por isso eu nunca reparei em você me espreitando pela janela ou que não ouvia você bater aqui na porta toda vez que eu resolvia mudar.

Mesmo quando nada disso funcionava, você sempre arrumava as malas primeiro e, quando eu enfim chegava no meu destino, você já estava lá com a sua casa montada.

Desculpe nunca ter aberto a porta ou atendido os seus telefonemas, mas o sr. há de concordar comigo que ninguém lá gosta muito de vizinhos barulhentos e intrometidos.

Estou escrevendo esta carta pois já ouvi algumas pessoas dizendo que o senhor não é “boa gente” e que não era para dar intimidade para quem tem o péssimo costume de dar pitaco onde não foi chamado. Bom, com isso acabei te julgando precipitadamente.

Acredito que não fui um bom vizinho para você e imagino que deva me achar um rapaz muito topetudo. Me desculpe se por um acaso fiz o senhor se sentir afrontado. Nunca foi minha intenção desrespeitar seus muitos anos de experiência.

Confesso que no começo eu ficava com raiva do senhor, mas depois entendi que você só queria me resguardar, pois já viveu muito e sabe das mazelas do mundo melhor do que ninguém.

Obrigado de verdade por tentar me proteger, mas acho que neste momento nós dois já entendemos que isso não é possível. Eu preciso viver, aprender, errar, me machucar, chorar. Sério! Tudo isso faz parte e eu preciso passar por estas coisas também.

Então vamos fazer um combinado? Eu prometo que vou considerar o que você tem a dizer sempre que estiver pronto para mudar, mas não se assuste e nem fique triste quando eu resolver mudar mesmo depois de ouvir sua opinião.

Isso não quer dizer que estou menosprezando o sr. Apenas resolvi caminhar mesmo assim. É claro que ao caminhar, estarei ciente de todos os perigos, e isso graças a você!

Não vou nem tentar me esconder, nem sequer mudar de madrugada enquanto você deveria estiver dormindo. A partir de agora você será muito bem-vindo onde quer que eu vá.

Mas você precisa entender, de uma vez por todas, que a palavra final será sempre minha.

__________

Se você quiser continuar esse papo e se conectar comigo é só seguir @lab.31, te espero lá.

 

Robledo Magalhães

Autor Robledo Magalhães

Publicitário, analista de mídias sociais e administrador de formação, com especialização também em processos criativos. Uffa! Criou o LAB31, que funciona como um laboratório de ideias para empoderar as pessoas em seus negócios, ensinando e dando autonomia.

Mais artigos de Robledo Magalhães

Conte nos o que você achou

Feito com carinho pela: N Coisas Digitais